domingo, 27 de outubro de 2013

Desabafo

Momento desabafo...
Sai da minha cidade natal, Três Barras, fazem 15 anos. Meus pais ainda moram lá. Em minha infância e minha adolescência, assisti a uma única peça de Teatro. Mas sempre fui muito exibida. Adorava aparecer! Rsrs.
Lembro-me que na escola, nosso professor de religião formou um grupo de Teatro, do qual eu participei. Ele, o professor, havia saído da cidade e retornou tendo participado de produções fora, na TV.
Decidi fazer teatro depois de um comentário de minha avó quando já tinha 17 aninhos e juntei a família na sala lá de casa p dançar p eles, imitando um atriz conhecida...
Minha avó disse que eu deveria ser atriz de novela...
Comecei a sonhar, eu era uma menina e pensava que o mundo era meu. Mas não foi bem assim...
Eu era muito espevitada p meus pais terem coragem de me mandar morar fora...
Desisti.
Saí de Três Barras mais tarde, casada e com uma filha.
Minha vida tomou outro rumo. Pensei que nunca mais. Pensei que já tinha passado...Que jamais aconteceria. E decidi começar do zero. Assim cheguei aqui onde estou. Fazem 5 anos que me casei com a Arte e sou fiel á ela. Nesses cinco anos sofri muito. Me despedacei e me reconstruí, pedacinho por pedacinho. Passei por dificuldades, me senti sozinha, me senti uma merda!
Precisei ter culhões e de muito apoio da minha família e de meus amigos pra estar aqui, numa boa...
Mas um dia desses aconteceu algo interessante...
Eu estava marcando trabalhos pra Cia em outras cidades e resolvi ligar para a Secretaria de Educação da minha cidade Natal. Não disse quem eu era, só falei como falo com qualquer outra secretaria que entro em contato. Fui bem atendida e depois de enviar o material do trabalho, consegui a autorização para entrar em contato com as escolas.
Entrei em contato com algumas escolas, "quase" todas...E "quase" unanimes, alegaram que as crianças não poderiam pagar... Uma não deu resposta e eu ainda fiquei de visitar pra conversar com a diretoria. Mas teve um argumento que está me doendo na alma até hoje. "Não vai dar, é muito caro para nossos alunos que são muito carentes. E Passamos nas salas... eles disseram que não gostam de Teatro!"

COMO ASSIM, NÃO GOSTAM DE TEATRO?
ELES NÃO CONHECEM TEATRO!!!
SE VIRAM DUAS PEÇAS DE TEATRO PROFISSIONAL, COM CERTEZA FOI MUITO.

Desde então tenho sofrido uma dor como de uma rejeição de mãe.
Quantas vezes eu falei nestes quinze anos em voltar p Três Barras...
Agora entendo por que nunca deu certo. Acredito que Deus saiba da minha luta e entenda que perderia o pouco que construí fincando meus pés naquele lugar. E que nem a paciência e colaboração de meus pais serviria pra me manter viva em um lugar onde as crianças "não gostam de teatro".

Pronto. Falei.
Ah! E só para constar, o valor do ingresso era de R$ 3,00. por ser longe e termos gastos com transporte.


quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Dando uma colorida na casa e na vida...

Que tal uma casa cheia de cor?

É incrível como as pessoas tem medo de ousar quando a assunto é este! Acabam ficando nos neutros por medo e não por opção. Muita gente me fala que tem medo de enjoar da cor ou de não combinar.
Sempre sigo alguns critérios para decidir as cores que vou colocar nas paredes da nossa casa:

  • Quais os sentimentos e habilidades das pessoas que frequentam o cômodo;
  • Quais destes sentimentos e habilidades elas querem desenvolver ainda mais; 
  • Quais os materiais da mobília que vai estar ocupando o comodo;
  • Se vou utilizar cores de uma mesma matiz - cores harmoniosas ou cores que ficam opostas na escala cromática - cores complementares.

Em algumas situações, é necessário buscar um material ou cor que possa neutralizar um pouco o colorido e tornar o ambiente menos estimulante. A utilização de móveis de madeira ou brancos pode causar este efeito.

Há menos de um ano nos mudamos pra este apartamento antigo e desde que coloquei meus pés nele estava convicta que uma tinta nas paredes lhe daria mais aconchego e alegria. Esta empreitada está sendo realizada nesta semana e aqui estão algumas fotinhos da experiência.   Como havia algum tempo que o imóvel estava fechado, estar dentro dele nos causava uma sensação densa e a energia acumulada no lugar não era das melhores. Um apartamento antigo cheio de histórias em uma cidadezinha de interior pode não ser muito convidativo. Rsrsrs! 
Bem... Nós nos aventuramos!
As paredes tinham uma cor cinzenta com algumas tentativas de cor em três cômodos, em dois quartos e na sala. As paredes do quarto que escolhemos para nós estavam terrivelmente manchada com rolo de tinta de duas cores daquele quarto quando o pintou. Nunca vi nada parecido! Os rodapés eram escuros, na cor das portas mas resolvi arriscar e os pintei de branco pra suavizar um pouco mais a decoração que eu sabia que teria muita cor. Só não decidimos ainda a respeito das portas. Fica pra uma outra etapa.                 
Logo nos dias da mudança minha filha e uma amiga minha pintaram a parede da sala, mas a disposição das duas esgotou-se depois de tanto sobe e desce de escadas(o pé direito alto dificulta pra caramba o trabalho).Levamos seis meses até recobrar a coragem e continuar o trabalho; quase desisti vendo a dificuldade que seria pintar as paredes sobre a escada, ainda temos partes da decoração secando pois acabamos de pintar; mas aí está o resultado desta etapa!



Gente! Não esqueçam de comentar! 
Preciso saber a opinião de vocês!
Até Breve!




segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Oito meses...


Para quem não sabe, este está sendo um ano de grandes mudanças para o Fábio e eu. Em janeiro deste ano tomamos uma difícil decisão que interferiu em muitos aspectos da nossa vida.
Mesmo tendo a empresa e circulando com um trabalho ano passado, não conseguíamos ver forma de progredir na nossa área tendo que dividir nosso tempo entre e Cia e as aulas em escolas. Para piorar, estávamos há muito tempo estressados e descontentes com a situação atual da educação, ou melhor, do sistema educacional no país e vivíamos esperando uma chance de cair fora.
Mas para mudar é preciso muita força de vontade e desprendimento e estas qualidades só nascem quando se está no limite. Este limite chegou pra mim no ano passado, muito embora eu saiba que pelo Fábio a Gente já teria tomado esta decisão muito antes.

Pedimos demissão de nossos empregos "seguros" e iniciamos nossa nova jornada. Nesta mesma época nosso compadre, amigo e colega de trabalho que também dividia o tempo dele entre o teatro e o Jornalismo acabou resolvendo fazer o mesmo e assim não éramos mais só nós dois em cena. Queríamos colocar em prática uma pesquisa e aproveitamos as férias das crianças em janeiro para fazer uma viagem de mais de um mês pelo litoral de Santa Catarina. Foi uma experiência incrível e independente dos contratempos e do ponto de vista financeiro, precisávamos disso.   

  Desde então, passamos um início de ano complicadíssimo e em maio a coisa começou a melhorar,uns bons contratos e outros nem tanto e fizemos diversas apresentações de "Patacoada", o trabalho de pesquisa que estreamos em janeiro.

Paralelo as transformações obtidas em nossa vida profissional, tomamos outra medida pra tornar nossa logística familiar mais tranquila: Saímos de nossa casa localizada em um bairro e deixamos a mesma alugada para vir morar no Centro, perto da Cia. Assim evitamos de usar o carro todos os dias e facilitamos as coisas para as crianças, que passam mais tempo conosco, abrindo mão de ter um gasto a mais com babá em casa.

Meu filhote arrasando no show de talentos da nova escola.
Para segurar as pontas foi necessário mudar as crianças de escola e optar pelo ensino público, o que no princípio me deixou super aflita. Hoje estou menos paranoica com isso e vejo que foi uma decisão coerente, afinal não tinha cabimento para um casal que vive com estabilidade alguma manter três filhos em escola particular e precisar passar o final do ano pintando painéis em todas as salas da escola a preço de banana pra conseguir pagar o material pedagógico (Acreditem! Fizemos isso estando eu grávida de oito meses e tomando remédio para segurar a bebê). Além do mais o ensino particular tem tantos problemas quanto o público e eu os conheço muito bem.

Bem... E agora, como estamos?
Estamos trabalhamos bastante e passamos muito tempo com nossa casa cheia de amigos rindo, bebendo vinho, jogando vídeo game e assistindo a filmes. A porta da  casa é trancada sempre depois da meia noite e frequentemente temos hóspedes. As crianças continuam a fazer muito barulho, a nossa "aborrecente"  está cada dia mais independente e nossos amigos tem nos ajudado imensamente quando viajamos, cuidando da casa e das pequenas bichanas(isso quando não ficam com as crianças também).
Estamos felizes e sem arrependimento pelas escolhas feitas, muito embora ainda estejamos recebendo a ajuda dos meus pais e ainda seja cedo para dizer que não precisamos dessa ajuda.
Estamos cheios de projetos e sem nada que nos prenda. Descobrimos juntos uma porção de possibilidades e prosseguimos de peito aberto e sentidos aguçados a espreita de novas conquistas.


terça-feira, 19 de março de 2013

Sejam Novamente Bem Vindos...

Pessoal...

Faz um tempão que o blog ta abandonado. Mas me desculpem, por favor! Eu estive muito ocupada nos últimos tempos e é pra contar um pouquinho disso que estou aqui novamente.
Como era de se esperar, nós nos mudamos...
Estamos em um apartamento antigo no Centro.  Um charme, enorme, mas com um vizinho que não gosta de bichinhos e cheio de histórias...
As histórias que parecem aquelas de filme de suspense são fichinha perto dos probleminhas bem terrenos que temos encontrado...
Antes de entrarmos no apartamento ficamos sabendo que a vibe do lugar não era assim muito leve. Tentamos desistir, mas já havíamos nos comprometido com a corretora e fiquei sem graça de voltar atrás.
Entramos, fizemos uma energização nos cômodos e seguimos.
Então...desde que nos mudamos já tivemos vários problemas com a vizinha  por causa dos nossos bichinhos e precisamos mandar dedetizar o local por causa dos insetos, que garanto que já estavam lá.
 Não sei explicar como nem por que mas ando mole e sonolenta todo o tempo como se a energia vital estivesse sendo tirada de mim.
Mesmo assim estamos tentando, afinal as crianças amaram o lugar.
Esta mudança ainda nos deu de presente uma imensa responsabilidade: Fazer com que todas estas histórias não interfiram tanto em "nossas" energias..
Torçam por nós!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Mudanças, mudanças... Adoro!

Olá pessoas queridas!
Fazem dois anos que nos mudamos para nossa casinha e gosto muito dela, pois cada coisa foi pensada e repensada, desde a telha até a posição da saboneteira no box. Foi um tremendo sufoco para terminá-la e aí está agora, prontinha p morar. O problema é que trabalhamos o dia todo no Centro e as crianças estudam no Centro, o que faz com que a casa passe vazia o dia todo e meus filhos sendo carregados de um lado para outro como ioiô. Isso não tem agradado muito nem ao Fábio, nem a mim, então... Há algumas semanas atrás decidimos colocar a casa em uma imobiliária e estamos a espera de um inquilino.
Como toda pessoa que passa pelas dificuldades de construir, tenho medo sim que um morador relapso, neglicencie os cuidados com a casa, mas precisamos muito facilitar nossa vida, então não haverá outra forma senão  esta.
Bem...
Agora é torcer para que as coisas se acertem da melhor forma...


terça-feira, 18 de setembro de 2012

Eu, meu amor e seus mangás...

   Eu sempre ouvi dizer que aquelas pessoas que não tem tempo pra nada são as mais fáceis de se encontrar disponíveis quando precisamos e começo a levar isso muito a sério. As nossas vidas são uma loucura... Lecionamos Arte em um Colégio,  o Fábio tem alguns alunos de violão e juntos, temos doze turmas de Teatro e uma Companhia  pra tocar,casualmente aparece algum trabalho de voz e violão para nós dois, em casa uma adolescente, um menino em fase de pegar fogo e uma danadinha que da nó até em pingo d'água, além de uma cadela Boxer que morde tudo que vê. Como se tudo isso não fosse o suficiente, depois de alguns anos relutando, o Fábio resolveu colocar em prática um antigo desejo de voltar a desenhar Mangá e está levando isso muito a sério. Na nossa última ida a Curitiba, compramos o material e ele retornou aos bicos de pena, nanquim, papéis e afins.
  Para compartilhar a criação dos desenhos e da história, ele criou um blog. Ficou bacana e pode ser uma boa pedida p quem gosta de falar do assunto e trocar experiencias: 
http://santo-mangá.blogspot.com.br

  Tudo isso pode parecer muito fácil, e seria, para mim pelo menos, se ele não tivesse colocado na cabeça que eu poderia realizar os desenhos dos cenários para ele. Desde a faculdade que eu não desenho mais nada e mesmo antes disso, não me sentia hábil a realizar tarefas deste gênero. Então é assim, como ele está empolgado e amo estar com ele, farei tudo que estiver ao meu alcance para que esta seja mais uma feliz parceria entre nós.

Mas, pessoal, como estou fora de forma, torçam por mim!

sábado, 15 de setembro de 2012

Gente, quanta coisa acontecendo!!!



  Desde a última postagem, muita coisa aconteceu e eu não tive tempo pra passar por aqui.
Na verdade, a minha indisciplina também não ajuda em nada, mas... chega de me desculpar e vamos logo as novidades.
Bem, na Cia, além das montagens dos alunos estarem começando a tomar forma, estamos com o Projeto da Mostra Nossa de Teatro pronto e iniciando o período de captação, que embora seja burocrático e político provoca uma certa adrenalina. Neste ano pretendemos fazer uma Mostra ainda melhor que a do ano passado e isso requer mais que boa vontade, requer verba. E isso não é coisa fácil de se conseguir não, mesmo que teu projeto seja bom, ele tem que ter uma grande importância social, cultural, educacional e quais mais funções você conseguir agregar. Felizmente, nosso projeto apresenta todas estas qualidades, o que nos deixa confiantes ao buscar apoiadores.
  Outra novidade é que o Espaço Lina Rückl está sendo reformado pelo proprietário do Shopping, Sr Miltom Rückl e logo, logo teremos um espaço todo pintadinho, restauradinho e aconchegante para  podermos voltar a utilizá-lo para ensaios importantes, bem como recebermos nosso público querido.

  Neste mês iniciamos a remontagem de Pippi Meialonga , com a direção da linda, querida e talentosa (e isso ainda é pouco) Sabrina Marthendal. Essa moça bonita no meu lado, na foto que o Jean Knetschik tirou, aí em cima. Estamos ansiosos com o início dos trabalhos e eu particularmente, me preparando pra tirar este corpinho da inércia.
  Além da remontagem da Pippi, novos projetos prometem colocar nosso grupo em novos mundos, para saborear novas experiências. Cada um de nós terá que superar suas habilidades e, embora seja difícil, é maravilhoso quando realmente conseguimos isto. Alguns dos meus desafios já foram lançados, causando excitação e medo, mas vamos nessa que a hora é essa.Um destes "desafios" me levou esta semana a Escola Municipal de Música para fazer minha matrícula em aulas de um instrumento musical. Ainda não revelarei qual é o instrumento para criar uma certa expectativa em vocês, é claro, mas adianto que a primeira aula já me fez apaixonar-me pelo instrumento pelo qual eu havia desenvolvido até um certo preconceito (rever conceitos nos faz crescer, né?). Até já saí pra pesquisar a compra do meu. Agora só falta a verba!